29 de dezembro de 2015

Por um atendimento humanizado

Por corredores, balcões, lugares que percorremos percebemos que o tempo fala mais alto do que qualquer sentimento de humanidade. Salvo algumas exceções é claro. Há uma preocupação em tudo ser rápido demais, passamos por pessoas que nos olham mas não nos veem. 

Atendimento humanizado chega a ser piada nesse País, aliás nem acho que isso seja um problema de território. Acho que o atendimento humanizado seria para quem olha para o outro como ser humano, com pausa e cuidado. Mas ainda acho que não dá tempo para se olhar assim para o próximo. E somente quem tem esse sentimento pode exteriorizar. 

Raras vezes senti um atendimento humanizado e ainda sinto e quando isso acontece sinto que é um sentimento como de ganhar na loteria, mas ainda bem acontece porque as pessoas só dão aquilo que podem dar e apesar do tempo correr e o relógio não parar, essas pessoas que nos dão um atendimento humano juntamente com o profissional fazem acontecer. Evidente que muitas pessoas não se importam com o lado humano. Nem do lado de dentro de balcão e nem de fora, nem em corredores e em local algum. As pessoas querem é resolver logo, querem ser atendidas. E não passa disso. Querem correr e correr pra não perder tempo, mas de qualquer forma o tempo é algo que não volta atrás.

Mas, pra quem sabe o valor e o sentimento de realizar e receber um atendimento humanizado sabe bem qual o significado de coisas bem mais profundas do que apenas os minutos que passam. E acho mais do que isso: Apenas quem se importa com o outro é que sabe olhar para os outros como quem olha para si mesmo. Muitos sequer vão olhar para os outros é verdade porque só enxergam a si e seus interesses. A realidade é que a frieza em alguns atendimentos congela e sentimento é que estão nos fazendo um favor quando isso deveria ser uma obrigação. Ainda me pego com nó na garganta. Não queria. Gostaria de ser fria. Mas a realidade é que eu enxergo as pessoas como pessoas, mas nem sempre as pessoas respeitam o que sentimos. E não é por isso que vou fazer igual a elas. Se algo me incomoda, eu vou dizer, e em outras nem vale a pena sequer falar porque a grande verdade é que elas viraram robôs eficientes de si mesmas. 


Não é do interesse da maioria das pessoas auxiliar. A gentileza é algo muito peculiar, muito raro, mas extremamente notável. Eu diria admirável. Apesar de tão raro, existe. E é nisso que ainda temos esperanças. Pessoas que se preocupam com o outro e fazem. Seja um atendimento, uma orientação, uma consulta. Isso é que faz a diferença, enquanto os outros serão sempre os outros - iguais. Sem diferencial algum. Apenas uma fábrica em série. Só faz aquilo. Nada mais do que aquilo que faz. Sem um diferencial. Sem uma característica a mais e um potencial digno de reconhecimento.

Talvez com um pouco de sorte nós que passamos por tantas coisas tivéssemos um atendimento eficiente e profissional andando lado a lado com um sorriso e um lado humano no qual pudéssemos contar. Isso só faria bem. Sentir-nos além de estar seguros: Acolhidos. Mas como não se pode ter tudo, que tenhamos pelo menos um mínimo porque esse mínimo alguns não tem, mas que pelo menos nos tenham respeito.  

Com pessoas profissionais ou não, amorosas ou não, sempre aprendi algo... Sempre aprendi uma lição.

Adriana Silva 

Nenhum comentário:

Postar um comentário