31 de dezembro de 2015

Não me importo com o que acham do meu filho. A diferença é o que eu sinto por ele!

Uma coisa que aprendi nesses 16 anos que tenho a minha filha é não me importar com o que as pessoas acham, pensam e falam.
Há situações em que ou eu deixo a pessoa falar, pensar e achar o que quiser e saio. Mas sempre há algumas que são " pérolas".
Uma pessoa me vendo com a Jaque disse:
- Ela precisava vir ao mundo pra você e seu esposo pagar algum pecado que vocês cometeram.

Eu calmamente e sorrindo (deu vontade de gargalhar) respondi:
- Pode ser! Sabe senhora, seja lá qual for o pecado que eu cometi deve ter sido muito bom. Porque tenho o privilégio de ter uma lição de superação, de vida e de amor convivendo comigo. E sejam lá quais forem as minhas lutas, tê-la comigo é mais uma honra do que um castigo. Mas enfim, se a senhora pensa assim, meus pêsames. E estou sorrindo porque graças a Deus não penso assim.
A mulher se pudesse cavava um buraco e se enfiava nele. Falei com tal leveza, com tal alegria e naturalidade, que quando olhei pro lado a mulher tinha desaparecido!


Esse povo que se acha religioso sabe tudo, menos o que é Deus, porque é o fim da picada a pessoa achar que Deus dá castigo, que minha filha precisa ser curada de alguma coisa, aliás as pessoas que não aceitam e quando foge dos padrões eles costumam julgar como anormal e acham que pra tudo precisa ter explicação.
Deus está no meu lar, no meu coração, na minha vida, nos meus tombos, nas minhas superações, nas minhas alegrias e tristezas. Deus está nas minhas lágrimas, ele está comigo! Já com esse tipo de pessoa que fala, faz, pensa e acha coisas assim tenho minhas dúvidas.


Enfim.... Me sinto aliviada quando acontece algumas coisas. Vejo o quanto eu evoluí como pessoa. Vejo o quanto sou abençoada. E enquanto eu viver, vou lutar pra minha filha continuar sendo feliz. Afinal, nem todas pessoas são felizes mesmo andando com as próprias pernas!
Se antes eu chorava com essas atitudes, hoje eu dou meu sorriso com mais força. Eu vejo o quanto estou no caminho certo. Me permitindo ser guiada por Deus, por pessoas que estão no nosso caminho e pelo amor. Esse sentimento ninguém vai entender! Entendo que muitas pessoas são ignorantes e outras não sabem se expressar, mas muitas só aprendem quando levam uma dessa. 


Sempre faço de tudo pra não ser grosseira, até porque eu precisaria nascer de novo pra tal feito. Mas já ouvi de pessoas muito próximas: - Você não aceita a verdade (quando me posicionei em relação à uma opinião da pessoa sem saber o que estava falando). Eu disse: Que verdade? A sua? Me desculpa, sequer sabe o que acontece, não convive e nem passa os dias comigo e nem vai à uma consulta dela pra saber como é a vida dela. Então.... A verdade é uma só: Quem cuida sou eu, não peço sua ajuda, então a sua opinião também está dispensada! (E nessa ocasião falei brava mesmo, porque a pessoa me saturou de tanto ficar falando as coisas não na minha cara mas pra outros).


Tenho muito orgulho da minha filha, e quem se incomoda com ela e todos os outros filhos maravilhosos assim como a minha, precisam é fazer uma faxina na cabeça. Mais amor, menos padrão. Mais amor e menos palavras sem noção.

Adriana Silva

Comportamento dos pais diante da deficiência do filho



Vou dar meu comentário:

Independente da " Deficiência" aqui é o contrário. Meu marido superprotege ela até hoje. Ele tem esse comportamento de cuidado, às vezes até comigo e pego muito no pé dele. Eu sempre fui mais realista com algumas coisas. Mesmo se ela não tivesse limitação alguma, ele seria do mesmo jeito.
Eu sempre olho pelo seguinte ponto: Se ela tem que realmente passar por determinada coisa ok, mas essa questão é a dos prós e contras. Infelizmente não dá pra poupá-la de tudo. Há coisas que ela precisa passar,e outras podemos estudar o caso. Não dá pra colocar em uma redoma de vidro.
Quando ela era menor eu não dava gelado, não deixava pegar vento. Ela vivia doente! Hoje, é totalmente diferente porque aprendemos a ser mães com o tempo. 

Adriana Silva

29 de dezembro de 2015

Por um atendimento humanizado

Por corredores, balcões, lugares que percorremos percebemos que o tempo fala mais alto do que qualquer sentimento de humanidade. Salvo algumas exceções é claro. Há uma preocupação em tudo ser rápido demais, passamos por pessoas que nos olham mas não nos veem. 

Atendimento humanizado chega a ser piada nesse País, aliás nem acho que isso seja um problema de território. Acho que o atendimento humanizado seria para quem olha para o outro como ser humano, com pausa e cuidado. Mas ainda acho que não dá tempo para se olhar assim para o próximo. E somente quem tem esse sentimento pode exteriorizar. 

Raras vezes senti um atendimento humanizado e ainda sinto e quando isso acontece sinto que é um sentimento como de ganhar na loteria, mas ainda bem acontece porque as pessoas só dão aquilo que podem dar e apesar do tempo correr e o relógio não parar, essas pessoas que nos dão um atendimento humano juntamente com o profissional fazem acontecer. Evidente que muitas pessoas não se importam com o lado humano. Nem do lado de dentro de balcão e nem de fora, nem em corredores e em local algum. As pessoas querem é resolver logo, querem ser atendidas. E não passa disso. Querem correr e correr pra não perder tempo, mas de qualquer forma o tempo é algo que não volta atrás.

Mas, pra quem sabe o valor e o sentimento de realizar e receber um atendimento humanizado sabe bem qual o significado de coisas bem mais profundas do que apenas os minutos que passam. E acho mais do que isso: Apenas quem se importa com o outro é que sabe olhar para os outros como quem olha para si mesmo. Muitos sequer vão olhar para os outros é verdade porque só enxergam a si e seus interesses. A realidade é que a frieza em alguns atendimentos congela e sentimento é que estão nos fazendo um favor quando isso deveria ser uma obrigação. Ainda me pego com nó na garganta. Não queria. Gostaria de ser fria. Mas a realidade é que eu enxergo as pessoas como pessoas, mas nem sempre as pessoas respeitam o que sentimos. E não é por isso que vou fazer igual a elas. Se algo me incomoda, eu vou dizer, e em outras nem vale a pena sequer falar porque a grande verdade é que elas viraram robôs eficientes de si mesmas. 


Não é do interesse da maioria das pessoas auxiliar. A gentileza é algo muito peculiar, muito raro, mas extremamente notável. Eu diria admirável. Apesar de tão raro, existe. E é nisso que ainda temos esperanças. Pessoas que se preocupam com o outro e fazem. Seja um atendimento, uma orientação, uma consulta. Isso é que faz a diferença, enquanto os outros serão sempre os outros - iguais. Sem diferencial algum. Apenas uma fábrica em série. Só faz aquilo. Nada mais do que aquilo que faz. Sem um diferencial. Sem uma característica a mais e um potencial digno de reconhecimento.

Talvez com um pouco de sorte nós que passamos por tantas coisas tivéssemos um atendimento eficiente e profissional andando lado a lado com um sorriso e um lado humano no qual pudéssemos contar. Isso só faria bem. Sentir-nos além de estar seguros: Acolhidos. Mas como não se pode ter tudo, que tenhamos pelo menos um mínimo porque esse mínimo alguns não tem, mas que pelo menos nos tenham respeito.  

Com pessoas profissionais ou não, amorosas ou não, sempre aprendi algo... Sempre aprendi uma lição.

Adriana Silva 

23 de dezembro de 2015

Mensagem de Natal

Nunca é demais agradecer. Por mai difícil que seja, por mais dificuldades que passamos em nossa vida, por mais batalhas árduas e dolorosas a lição de amor sempre é aprendida.

Eu sei que existiram momentos insuportáveis. Onde cada lágrima parecia uma gota de sangue caindo na carne viva dos nossos olhos, corações e alma.Mas lembremos que o Nosso Menino Jesus também sofreu por nós. E quem sou eu pra reclamar? Quem sou eu pra não levantar quando caio? Quem sou eu diante de qualquer sofrimento?

Se estou aqui hoje é por sua infinita misericórdia. Enfrento todos meus desafios, aprendo a cada dia o significado deles. E em mim mora a alegria, o amor, a fé, a gratidão, a esperança.... Mora uma explosão de sentimentos que me guiaram até aqui.

Se eu puder dar uma mensagem a cada um que está aqui é que olhe para seus dias como um natal. Ame todos os dias a sua vida, a sua família, as pessoas que estão com você. Não espere essa data para dar a sua presença e demonstrar a importância que elas tem em sua vida. O amanhã é algo muito próximo, e ao mesmo tempo muito distante e enquanto há tempo dê o seu tempo à quem realmente precisa de você!

Feliz Natal! Que Jesus Cristo esteja com você e toda a sua família nesse dia. E se eu faço a diferença na sua vida, me abrace agora com o seu coração, porque é dessa forma que estou aqui pra lhe desejar isso. Muito amor.... Hoje e sempre!

(Jaqueline)

16 de dezembro de 2015

Invísivel? Incomodo?

Sempre tenho a impressão que quando qualquer pessoa tenha uma limitação, uma dificuldade ela incomoda as pessoas. Não é coisa da minha cabeça, eu presencio isso no dia a dia, vejo queixas, vejo expressões. Vejo pessoas passando por cima como todas as outras fossem invisíveis. E não é só com a minha filha que acontece isso e diretamente me afeta é claro. Vejo que as pessoas vivem apressadas. Esqueceram o significado da ação gentileza. E quando coisas positivas acontecem (muito raramente) nos surpreendemos. Bom, eu já falei aqui em várias situações que não me incomodo com o que as pessoas acham da minha filha. Até porque, não sabem nada da vida dela. Nem o que passou, e passa. Não conseguem enxergar a alegria dela em viver e acho que o privilégio de sentir e perceber isso está com quem verdadeiramente percebe os sentimentos dela de alguma forma, ou admirar, amar e gostar.
Entendo que as pessoas não são obrigadas a entender nem a ver da forma que eu a vejo. Ela é uma criança como várias: Lutadora, Guerreira e Feliz. E o que vale a pena de verdade, é como ela se enxerga, e como as pessoas que estão ao seu lado também. Quem não conhece jamais saberá.
(Adriana Silva)