15 de abril de 2015

Olhar não arranca pedaço, mas muitas vezes diz muita coisa...

Vi outro dia em uma matéria na Televisão, uma cadeirante falando sobre os olhares das pessoas. Ela disse que hoje não se importava mais, mas que machucava. Porque muitas vezes as pessoas são cruéis mesmo. Olham como se os outros fossem coisas de outro mundo, nem disfarçam.
Eu penso que o que as pessoas fazem é o que as define.
Acho também que as pessoas deveriam sentir vergonha de si mesmas, achando coisas absurdas dos cadeirantes, que são superações diárias de orgulho, que nos inspiram a olhar a vida de uma outra maneira. Acredito que pessoas que tem reações negativas são pessoas mal resolvidas consigo mesmas, são pessoas mal amadas e que jamais entenderão o valor de uma vida.
Eu tenho imenso orgulho da minha filha, não importo com esse tipo de pessoa que acha horrores dos outros por julgar que em cima de uma cadeira a pessoa não vive.
Posso afirmar que a minha filha vive mais do que muita gente! Afirmo ainda que vejo pessoas que tem limitações enormes e fazem muito mais coisas do que eu mesma!
Não podemos evitar nem controlar os olhares das pessoas. Ao mesmo tempo que temos olhares ridículos temos olhares que dizem coisas boas também.
Sabe o que agrega? Pessoas boas! As que tem certos comportamentos nos ensinam a continuar caminhando no com a mesma intensidade, e nunca deixarmos de ser pessoas generosas e educadas.

(Adriana)

Nenhum comentário:

Postar um comentário