21 de agosto de 2014

Apego

Uma pessoa sempre me dizia (referindo-se à irmã que tinha uma filha especial) sobre o apego dela com aquela menina. Daí me perguntava: "Como pode haver uma mãe que não tem apego ao seu filho sendo que ambos foram ligados por alma, coração, carne e cordão umbilical ? Difícil isso. (Apesar de algumas que vemos por aí nem merecerem ser mães) Ela se referia como o ato da irmã fosse errado. - Ela tinha um apego enorme naquela menina! A vida dela era ela! 

Mães especiais precisam de dedicação a mais. Não tem jeito. Vejo muitos filhos partirem antes das mães. Assim como mães que partiram e logo em seguida os filhos também. Acho que é preciso ao mesmo tempo deixar espaço para que esse filho seja ele mesmo independente da sua dificuldade. E a mãe idem. Ter o espaço que ela tanto precisa pra que o apego não vire uma necessidade.

Sei que muitas mães abdicam de muitas coisas por um filho. Independente de ser mãe especial, todas fazem isso. É algo instintivo. Vejo também mães (enquadro todas nesse meio, especiais ou não) que tem verdadeira obsessão pelo filho. Muitas não deixam ele nem viver direito. Isso já acho que precisa de equilíbrio porque essa atitude impede não só ele de viver e respirar mas ela também. É algo que afeta ambos e todos ao redor.

É inevitável que a nossa vida gire em torno deles. Precisam do nosso amor, dos nossos cuidados, e dizer pra uma mãe não ter apego ao seu filho, é o mesmo que dizer que ela não é mãe. Porque todas nós temos sim apego, afinal nossos filhos são a metade de nós, e arrisco a dizer que são 99% porque nossos braços, nossas pernas, nosso coração, são muito mais extensos não apenas por necessidade e sim por amor!

(Adriana)

Nenhum comentário:

Postar um comentário