17 de maio de 2014

RESPEITO QUE COMEÇA DENTRO DA GENTE!




 Fala-se muito da falta de respeito e de preconceito. Mas e o respeito a si próprio? É triste ver preconceito dentro da família, é horrível ver ainda a forma que algumas pessoas olham os seus. Como querer respeito das pessoas se isso não vem de si e nem para com as pessoas que diz que ama? Muito confuso e contraditório isso. É fácil amar o aparentemente “saudável”. Como questionar da sociedade uma coisa que deveria ser natural se as próprias pessoas de dentro olham para seu filho, ou um da família como “coitadinho”? 

O que quero dizer é que a vida não é cor-de-rosa, mas também não é essa coisa medonha que muitas pessoas imaginam. Falta as pessoas olharem para qualquer que seja os outros como Pessoas. Não mascaro as dificuldades da minha filha, mas também não olho como se fosse uma avalanche. Olho com realidade cada dificuldade e com entusiasmo cada evolução. Talvez nós mães, tenhamos uma mania de incansavelmente querer mostrar ao mundo a capacidade dos nossos filhos. Talvez ainda a nossa fé seja tão grande que muitas vezes vimos com otimismo demais algo tão pequeno, mas ao mesmo tempo tão significante para nossa vida.

Muitas vezes encaramos uma simples escada como uma montanha. Em outras, subimos com tanta desenvoltura que parecíamos flutuar. Por isso, mesmo que ainda inutilmente eu teime em falar para algumas pessoas sem coração nesse mundo: Não subestime o poder do amor! Não subestime a coragem, a força que Deus dá a uma mãe.

As pessoas me falam que fui escolhida por Deus. Eu falo que simplesmente sou mãe! Não acho que sou mais corajosa do que as outras, porque tenho minhas falhas, minhas fraquezas e as aceito, acho que fazem parte, erro, acerto como qualquer mãe. Talvez o que mude é o amor, é a visão perante a vida. Talvez o que mude é a rotina, é a responsabilidade. Apenas sou uma mãe apaixonada por sua filha, que faz de tudo para vê-la sorrir. Talvez mais do que as outras mães, e talvez muito mais do que algumas que sequer sabem o significado de ser mãe.

O que faço é olhar com respeito para minha filha. E olhar com respeito é observar como ela é enquanto pessoa. É olhar para sua personalidade. É olhar para seus gostos. Para seus pedidos. Para seus olhares, dando valor aos seus abraços e sentimentos. Talvez falte a algumas pessoas interpretarem isso em seus filhos. Às necessidades deles. Aos sonhos. As buscas. 

Quando o respeito parte de dentro, tudo muda. Pode ser que lá fora, as pessoas continuem insensíveis. Que não respeite de fato às outras. Que mesmo se questionarmos elas não mudarão. Mas quando muitas nos olharem e ver que existe respeito entre nós e, sobretudo amor, quem sabe elas olhem mais para si mesmas, e vejam em nós uma escola importante. Talvez nunca vejam. Talvez precisem passar pelas mesmas situações para entender. Talvez não aprendam nunca. O que vale, de verdade é esse respeito que carregamos aqui dentro.

Adriana  16/12/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário